Transformação | Boletim Certeza da Vitória

Mais que abundante

O poder da oração materna
“Minha aliança é com Jesus”
Foto: 123RF

MAIS QUE ABUNDANTE

O empresário potiguar Alriberto Maia aprendeu que o melhor investimento é o Reino de Deus


Viviane Castanheira


Alriberto de Souza Maia, de 40 anos, batalhou para crescer financeiramente. Natural da cidade de Pau dos Ferros, interior do Rio Grande do Norte, o empresário nasceu em um lar humilde e precisou viver com outra família, que teve mais condições de criá-lo. Ele cresceu na roça, na lida diária no campo, e sonhava em sair dali e prosperar.

Quando tinha 15 anos, a mãe adotiva de Alriberto faleceu. Diante disso, ele deixou Pau dos Ferros e foi morar com o tio em Apodi, município vizinho. “Lá, eu carregava lenha e cuidava dos afazeres. Com 18 anos, preocupava meu tio, porque vivia na farra. Então, retornei à minha cidade natal. Fui gari, motorista de transporte escolar, mototaxista… Nunca tive medo do trabalho”, afirma Alriberto, que era esforçado, mas cultivava hábitos negativos.

Ivaneide Lopes, Alriberto de Souza, Davi Luis e Keytson: felicidade na presença de Deus – Foto: Arquivo pessoal

Alriberto vivia em bares e festas. Mesmo depois de conhecer a esposa, Ivaneide Lopes da Silva Maia, hoje com 38 anos, o futuro empresário não abandonou essa prática. Pelo contrário, ganhou uma companhia para as noitadas. Apesar de tudo, ele conseguia algumas conquistas financeiras, mas o dinheiro não rendia, e a família passou por problemas. “Não tínhamos nada. Morávamos de aluguel e sofríamos ameaças de despejo por falta de pagamento”, conta Ivaneide, que começou a se cansar daquela situação. “Nossa vida estava nas mãos do diabo. Meu esposo bebia muito, vivia em prostituição. Eu era oprimida, depressiva, triste. Sem conseguir lidar com aquilo, tentei até o suicídio”, relata a dona de casa.

No entanto, Deus tinha outros planos para o casal. Ivaneide foi a primeira a conhecer Jesus. No início, ela acompanhava o marido nas farras, porém não bebia nem se comportava como antes. A área financeira deles também apresentou mudanças. Alriberto havia começado um negócio próprio: a construção de casas. “Sempre gostei de trabalhar. Nunca me acomodei. Porém, eu não conhecia Deus. Construí muitas casas aqui, mas o dinheiro entrava e saía. Era um saco furado”, relata o empresário, que, às vezes, ia à Igreja com a esposa. Alriberto se encontrou com o verdadeiro Deus em uma dessas ocasiões, em um evento especial no templo: “A pregação me emocionou. Quando cheguei à minha casa, joguei fora as bebidas. Desde esse dia, nunca mais entrou nada alcoólico no meu lar. Deus me tirou da lama”, revela.

Devido a essa transformação, o casal foi incrivelmente abençoado: “Começamos a prosperar. Tudo o que eu ganhava, em vez de sumir, aumentava, pois o Senhor multiplicava. Quando me batizei, a primeira coisa que perguntei ao meu pastor foi sobre o dízimo. Com o ensinamento, passei a devolvê-lo regularmente. Desse momento em diante, cumpri o chamado de Jesus. Entendi que os meus pertencentes eram de Deus. Ele nos abençoa mediante nossa fidelidade e me honrou inexplicavelmente.”

No entanto, essa história não termina aqui. O Senhor reservava mais para a família Maia do que Alriberto ou Ivaneide haviam pedido ou pensado. Em 2015, o mercado de imóveis, no qual o empresário atuava, estava retraído. Assim, ninguém queria comprar ou construir casas. Nesse período, surgiu uma grande oportunidade. “Certa vez, ouvi uma conversa com um fornecedor sobre a venda de uma empresa de gás. Ele me ofereceu aquele negócio, mas eu não tinha dinheiro para a aquisição. Comecei a orar e entreguei esse projeto nas mãos do Pai. O Altíssimo usou o meu pastor dizendo que aquela empresa já era minha e eu deveria prosseguir no que Ele colocasse à minha frente. O pastor não sabia de nada e pregava dizendo que Deus abençoaria a minha compra”, recorda-se o empresário. O recado foi dado, e Alriberto segurou a oportunidade. Mas como ele faria para comprar uma empresa de 750 mil reais? Ele perguntou ao Único que tinha essa resposta: “Questionei a Deus: como essa empresa pode ser minha se eu não tenho o valor solicitado? Eu precisava arrumar 300 mil de entrada para dar em 15 dias, e não tinha nem um real”, confessa.

Libertos e abençoados, Alriberto e Ivaneide: “Deus tem nos honrado” – Foto: Arquivo pessoal

Ele orou, e Deus lhe deu uma estratégia arriscada aos olhos naturais. Em um período de retração econômica em âmbito nacional, vender bens, inclusive a casa, era uma loucura. Mas o Céu nunca está em crise. Firmado nessa Palavra, Alriberto colocou tudo à venda: os caminhões da empresa de construção e a casa. “O tempo foi passando. Começou a chegar o dia para o depósito da entrada, e eu não tinha a quantia pedida. Deus falava que me honraria. Poucos dias depois, consegui vender os caminhões e a casa por um preço acima do mercado. Assim, dei uma entrada superior à acordada. Depois, paguei o que faltava com a venda do próprio gás. Quando adquiri a empresa, comecei a patrociná-la. Os negócios expandiram, e, agora, forneço gás para outras localidades. Enfrento lutas, mas o Pai celestial me dá a vitória”, ressalta.

“Deus fez a obra completa na nossa vida. Somos felizes na presença dEle. Eu e minha casa servimos ao Senhor! Ele tem nos honrado. Aquele que começou a boa obra é fiel para terminar”, finaliza Ivaneide, casada com Alriberto há 19 anos. Juntos, eles têm dois filhos: Davi Luis, de 6 anos, e Keytson, de 17.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *